Uma profissional da área da saúde prestando atendimento a uma idosa, com dois idosos ao fundo, com os dizeres: Saiba quais são os 10 problemas de saúde mais comuns em idosos

Saiba quais são os 10 problemas de saúde mais comuns em idosos

Data de publicação: 16/05/2019 14:52:00
Categoria: Geriatria e Longevidade

Por Suzannah Smith

Além das mudanças físicas aparentes, como os cabelos grisalhos, as rugas e as dificuldades de mobilidade, o envelhecimento pode ocasionar problemas de saúde mais complexos e até mesmo silenciosos. É importante estar atento às doenças mais comuns aos idosos, para que elas não interfiram na longevidade e na qualidade de vida.

As doenças crônicas afetam cerca de 92% dos idosos, nos Estados Unidos. Entre elas estão as doenças cardíacas, a diabetes e os diversos tipos de câncer. Uma visita anual ao médico, aliada a uma alimentação saudável e à prática de exercícios físicos podem ser suficientes para controlar ou prevenir essas doenças. O estilo de vida e os cuidados com o peso e a saúde são fundamentais para evitar complicações desse tipo na terceira idade.

A demência afeta a vida de aproximadamente de 47,5 milhões de pessoas em todo o mundo. Com o envelhecimento da população, é possível que esse número triplique até 2050. Por isso, uma das principais preocupações dos idosos deve ser manter as funções cognitivas, que permitem pensar, aprender, e preservar memórias.

Doenças, condições crônicas de saúde e estilo de vida aumentam os riscos de perda cognitiva e, por isso, é importante estar atento a fatores como diabetes, hipertensão, depressão, HIV, tabagismo e abuso de outras substâncias. Apesar de não ter cura, a demência pode ser controlada, por isso é importante buscar ajuda médica.

A depressão é um dos principais distúrbios mentais que afetam os idosos, sobretudo quando já existem outras condições crônicas de saúde. Esse tipo de problema costuma ser subdiagnosticado e subtratado, por isso é importante dar atenção a sinais de tristeza, indisposição e isolamento, por exemplo. Além disso, melhorias no estilo de vida, como a inclusão de atividades sociais e participação em grupos de apoio podem ajudar a tratar a depressão.

O desequilíbrio e a fragilidade dos ossos podem ser uma combinação perigosa na terceira idade. Os ricos de queda e lesão são mais altos com o envelhecimento, já que os músculos perdem força e flexibilidade. Doenças como a osteoporose e a osteoartrite também contribuem para essa fragilidade, por isso é necessário investir tempo em exercícios físicos para fortalecimento.

Já as residências devem estar adaptadas para reduzir os riscos. Algumas dicas são: retirar tapetes, colocar corrimão em escadas e evitar pisos escorregadios.

Nos Estados Unidos, 21% dos casos de AIDS, em 2013, ocorreram em idosos com mais de 50 anos. Mesmo que os hábitos e desejos sexuais mudem com o envelhecimento, é necessário que idosos sexualmente ativos se protejam com preservativos, assim como quando eram jovens. Por ter sintomas similares aos do envelhecimento, doenças como a AIDS podem demorar a ser diagnosticadas, fragilizando ainda mais o paciente.

O sistema imunológico e o muscular dependem de uma boa alimentação. Porém, idosos podem ficar desnutridos porque se esquecem de comer ou não tem apetite devido a doenças como depressão. A família deve estar atenta à alimentação dos mais velhos, garantindo o consumo de frutas e vegetais e monitorando o consumo de gordura saturada e sal.

A perda de visão e da audição são as deficiências sensoriais mais comuns para os idosos. Óculos, aparelhos auditivos e até mesmo intervenções cirúrgicas podem ajudar a corrigir o problema, mas para isso é necessário que o idoso relate ao médico suas dificuldades.

Problemas como cáries e gengvite podem levar à dificuldade de manter uma dieta saudável, à baixa autoestima e a outras condições de saúde. Por isso, é recomendado manter visitas regulares ao dentista, para avaliar a saúde bucal, e problemas comuns aos idosos como boca seca, doenças da gengiva e câncer de boca.

O abuso de substâncias como álcool ou drogas deve ser observado também em idosos. Nos Estados Unidos, esse problema pode atingir cinco milhões de idosos até 2020. Além desses abusos mais comuns, a quantidade de medicamentos utilizados pode se tornar um problema para aqueles que têm déficits mentais, especialmente quando as prescrições incluem medicamentos de uso prolongado.

Controle da bexiga e constipação
Incontinência urinária e descontrole intestinal são comuns no envelhecimento. Sejam reflexo de problemas de saúde, do uso de medicamentos ou de uma dieta inadequada, esses desafios devem ser discutidos com os médicos, que podem recomendar ações para minimizá-los. Manter uma dieta balanceada e realizar exercícios físicos são estratégias para evitar esses problemas.

Fonte:

Tradutora e redatora: Daniela Souza 
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim
Diretor técnico: Geraldo Majella

  • Gostou? Compartilhe: