Uma cabeça humana formada por galhos de arvores e folhas roxas, se desvaecendo na altura do córtex cerebral direito, com os dizeres: O que é demência? Conheça as causas, sintomas e tratamentos

O que é demência? Conheça as causas, sintomas e tratamentos

Data de publicação: 09/04/2019 17:26:00
Categoria: Doenças e Sintomas

Por Pamela Kaufman

A demência é uma síndrome – que consiste em um conjunto de sintomas – causada pela perda de conexões entre neurônios e a morte dessas estruturas, e sua gravidade varia de acordo com seu desenvolvimento. Ela causa a perda de capacidade cognitiva e pode interferir na rotina de uma vida normal, já que em seus estágios finais o paciente precisa estar acompanhado todo o tempo.

Estima-se que 14% das pessoas com 71 anos ou mais vivem com demência, sendo as mulheres as mais afetadas. O Instituto Nacional do Envelhecimento dos Estados Unidos define a demência de dois modos: como a perda de duas ou mais funções essenciais do cérebro, como memória, linguagem, percepção visual, concentração, capacidade de raciocínio e resolução de problemas, ou como a incapacidade de realizar atividades cotidianas em função de uma grande perda cerebral.

Apesar de ser responsável por 60% a 80% dos casos de demência, a doença de Alzheimer não é o único tipo de demência. Trata-se de uma doença cerebral progressiva, que evolui lentamente. Seus sintomas iniciais podem ser descritos pela dificuldade em lembrar de conversas, nomes ou eventos recentes, e seus pacientes podem sentir apatia e depressão.

Outro tipo de demência é a vascular, que ocorre quando o fluxo sanguíneo enviado para o cérebro é inadequado, privando as células de oxigênio e de nutrientes. Os sintomas dessa forma da doença são julgamento prejudicado ou dificuldades incomuns no planejamento, na organização e na tomada de decisões. Existe, ainda, a possibilidade de que essas duas doenças coexistam, o que é chamado de demência mista.

A demência por corpos de Lewy, a terceira forma mais comum de síndrome, está associada a depósitos anormais de proteína no cérebro. Enquanto a proteína alfa-sinucleína ajuda os neurônios a se comunicarem em um cérebro saudável, seu acúmulo pode prejudicar a função cerebral, dificultando o pensamento, o movimento, o comportamento e o humor. Pacientes com essa doença também podem ter alucinações visuais.

Ainda não há cura para nenhum dos tipos de demência, porém, os medicamentos podem ajudar a retardar os seus efeitos ou reverter alguns danos sofridos pelo cérebro.

Especialistas acreditam que o fator hereditário tenha influência em quase todos os tipos de demência, apesar da síndrome não ser herdada diretamente. Uma combinação de fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida define o desenvolvimento da doença.

Alguns fatores de risco para demência incluem aterosclerose (endurecimento das artérias), colesterol alto, hipertensão arterial e diabetes, além do tabagismo.

De acordo com o Alzheimer's Society, no Reino Unido, é possível reduzir o risco de demência adotando um estilo de vida que inclua exercícios físicos, uma dieta balanceada, mantendo o consumo de álcool moderado e evitando o tabagismo.

Além disso, cientistas estão investigando outros fatores do estilo de vida que podem afetar o risco de demência. Algumas evidências apontam para uma associação entre altos níveis de envolvimento social e diminuição do risco de demência. Já outras áreas de estudo avaliam a ligação entre sono e demência, com um pequeno estudo associando cada minuto perdido de sono REM com um aumento de 9% no risco de demência.

Fonte:

Tradutora e Redatora: Daniela Souza
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim
Diretor Geral: Geraldo Majella

  • Gostou? Compartilhe: